Categorias
Gameplay

Gameplay: O Mundo de Dunegor, parte 4.

Eu quero terminar essa trama, para levar Esquill para outras aventuras no mundo de Dunegor. O que sabemos até agora é o seguinte: orcs invadiram a vila, onde moram Requilon e Alonir, com armas feitas por zumbis-amaldiçoados controlados por um necromante. Um mercador se meteu com ele, que usou o poder da pedra da lua para reviver os corpos do cemintério(incluindo o filho de Requilon, irmão de Alonir).

Então nós encontramos os nossos heróis nos arredores da cidade, que está em chamas do ataque dos Orcs.

Local: Vila em chamas, Personagens: “Espada Falante”. Ok, o sistema sempre jogando uma coisa do nada na minha história. Banco de idéias: Qualidade: Dracônico. Tive uma idéia.

Quando chegam na cidade, logo vêem que vários dos orcs estão enfurecidos mais do que o normal. Eles logo se veem em combate com um destacamento de orcs que estava nas redondezas. São três ou menos orcs? (oráculo: não.) Então vou dizer que são cerca de 5 orcs, duas patrulhas que se convergiram na onde os heróis chegaram na cidade.

Esquill: tenta usar sua magia de paralisação, para parar o máximo de orcs que conseguir, como está mirando em todos, não tem a vantagem de mago ao usar magia: mas ele consegue. Três orcs estão fora da luta, suas armas caem no chão, com um grito estridente. Alonir e Requilon tentam derrubar os outros orcs, mas são subjulgados.

Esquill pega uma das espadas, que é vermelha e tem um olho dracônico no punho. Ele instantâneamente se vê enfurecido, e ataca os orcs que estão atacando os amigos.

Ele derruba mais dois orcs, porém a fúria impele ele a atacar Alonir, que fica Ferida. Ela pula e rápidamente tira o outro orc de combate. Requilon ataca Esquill, que com uma estocada derruba sua arma da mão.

A arma cai no chão, com o mesmo grito estridente. Quando olham para cima, uma figura com um capuz preto voa em direção a eles. É o necromante. As espadas gritantes devem ter alertado ele a posição dos heróis.

Os heróis se preparam para lutar. Alonir ainda está ferida. Esquill tenta usar uma magia de cura e pede desculpa por ter machucado ela! O necromante ri enquanto os heróis se auxiliam a preparar a luta.

“Então vocês que causaram aquela bagunça na minha fábrica! Hahaha. Aposto que foi por pura sorte não é?”

“Você vai pagar pelo terror que tem causado a essa vila, ser das trevas”, diz Esquill.

“Essa vila foi apenas um teste, e esse teste foi um sucesso! Agora eu tenho que ir. Não tenho tempo para lidar com vermes como vocês.”

E numa nuvem de fumaça, o necromante desaparece. As espadas que pulsavam vermelho-fogo voltam a ter a coloração normal de ferro batido, e o olho dracônico some dos punhos. A vila sofreu muitas perdas no combate, afinal era uma vila simples. Os orcs, agora não mais enfurecidos pelas artimanhas dos necromantes, fogem para as montanhas novamente.

E esse é o final do primero capitulo da Saga de Esquill. Resolvi adiantar ela(e fazer o vilão fugir, já que ele seria muito forte para Esquill).

Gostei demais da história que foi gerada(tem um quê de naruto com harry potter.) e quero levar esses personagens para outras tramas. Provavelmente vai continuar aqui no blog mesmo.